Arquivo da tag: Balenciaga

Estamparia: projeto gráfico alinhado com a modelagem

Padrão

Que as estampas estão invadindo as coleções com tudo nestas últimas estações, não é nem preciso ser muito esperto para ter notado. Grandes, pequenas, localizadas ou corridas, os grafismos adornam, complementam e enriquecem a mensagem corporal que levamos através dos looks nossos de cada dia. Muitos conhecidos já vieram me perguntar sobre como usar estampas na medida certa. Aproveitando que estou com um pouco mais de tempo neste feriadão que a empresa deu (Thanks God!) resolvi escrever a respeito de estampas mal posicionadas – em se tratando de estampas localizadas.

Como designer de superfícies, sou suspeita para falar no quanto as estampas podem ser o tchananã de um guarda-roupa. Entretanto, é bem interessante sabermos quais as estampas que ficam melhores com nosso tipo físico; conhecer um pouco sobre tramas e tecidos, além de caimentos; localização das estampas na superfície estampada e é claro,  usar e abusar do bacana e velho bom senso – que não deveria… mas anda saindo de moda. So sad!

Well… Em minhas pesquisas por sites e blogs de moda, cheguei até este e este modelos da Balenciaga. Conforme as fotos abaixo, retiradas dos mesmos endereços, pode-se notar que a estampa parece ter sido jogada na frente de cada blusa de qualquer jeito, com pouco ou nenhum cuidado estético e de valorização da forma feminina. Dá uma olhadinha!

Balenciaga manga curta

Balenciaga long baby look

Em primeiro lugar, pô! É UMA BALENCIAGA!!! Ooops…’hey… algo não tá ornando aqui!’. No modelo mais curtinho, a estampa parece casar melhor com a silhueta feminina, apesar de estar posicionada de forma a ‘tapar’ de forma bem precária a área frontal da blusa. Percebe-se que a *mesma* estampa foi aplicada no outro modelo de long baby look, e não tiveram nem o cuidado de fazer com que a estampa seguisse o formato natural do modelo da vestimenta. Em resumo: dois produtos com uma mesma estampa mal projetada.

O motivo floral é lindo, as cores são lindas. Mas este é apenas um exemplo de que estamparia não é apenas um desenho bonito largado em cima de uma superfície. Ou pelo menos não deveria ser.

Dá uma olhadinha em como as blusas ficam no corpo.

Balenciaga Baby Look

Balenciaga Long Baby Look

A baby look em decote ‘v’ possui a estampa adornando mais harmonicamente – mesmo que bem sem graça… – a parte frontal da blusa. Já a long baby look, em decote arredondado, mostra que a estampa – definitivamente –  não foi pensada para este modelo: o corte brusco na altura dos quadris, indica que a estampa foi aplicada sem nenhum cuidado; na altura do colo, o desenho da estampa indica que ela pertence a outro modelo de blusa, em decote ‘v’…

Claro, assim, podendo comparar os dois modelos e o mesmo grafismo, fica mais fácil brincar de ‘jogo dos 7 erros’. Mas este post é apenas para alertar que cada estampa pode evidenciar um modelo de vestimenta ou destruir boa parte de seu impacto, caso não tenha sido projetada com a devida cautela.

Estes cortes bruscos de tamanho de estampa na superfície da vestimenta podem evidenciar locais indesejados por boa parte das mortais: quadris, busto e cintura.

Navegando no mesmo site, encontrei este, este, e este modelos Alexander Mcqueen. Dá uma olhadinha nas imagens abaixo, retiradas dos mesmos endereços.

Alexander Mcqueen - SkeletonAlexander Mcqueen - regata

Alexander Mcqueen- camiseta regata

Tomei o cuidado de separar dois modelos distintos de camisetas estampadas, para que possamos analisar a forma como a marca projetou as estampas para ambos os modelos: tanto no modelo de camiseta solta, quanto no modelo de regata, a estampa está localizada centralmente e seu grafismo remete ao fechamento de uma linha de raciocínio: as estampas não dão a impressão de que os elementos conversam entre si de forma a aparentar algo cíclico? Esta ciclicidade oferece conforto visual e estético, além de favorecer a praticamente todos os tipos físicos. Estas projetadas desta forma, nascem de ilustrações a cerca de um tema de coleção trabalhado a fim de adornar uma superfície. Com apenas alguns elementos recebendo cores, a estampa fica clássica e oferece ares de sofisticação.

Já em relação ao vestido – que amei de paixão, diga-se de passagem! –  a estampa está ornando perfeitamente a silhueta feminina. Reparem como o desenho do esqueleto acompanha exatamente a forma natural do corpo humano feminino e como as cores, precisamente escolhidas, conferem elegância a um motivo inusitado de estamparia. Reparem nestas outras imagens do vestido:

Alexander Mcqueen - modelo de vestido estampado frente

Alexander Mcqueen - modelo de vestido estampado costas

A estampa deste vestido é projetada pensando não apenas na aplicação frontal, como também na aplicação no verso da peça. Caveiras e flores dão um toque dramático com pitada romântica, marcas registradas da grife. Percebe-se que a modelagem foi pensada em etapa anterior ao desenho da estampa, ao contrário dos exemplos Balenciaga que postei inicialmente.

Portanto, gente, estamparia é sim, tudodemaislindonomundo. Mas é preciso cuidado na hora de escolher os modelos e as estampas que farão parte dos elencos de nossos armários.

Uma dica bacana: ao gostar de uma peça estampada, prove e veja como esta fica em seu corpo. Analise o caimento do tecido e se o grafismo está alinhado com a modelagem. Pense em formas diferentes de utilizar a sua camiseta, como por exemplo, dando um nó na frente ou colocando parte dela para dentro da calça: veja como a estampa se comporta em situações diferentes, pense se ela casará bem com seu estilo. Em tratando-se de vestidos, pense primeiro se não vai enjoar logo da peça adquirida: muitas vezes, peças únicas e estampadas possuem um alto impacto visual. Pense com o que você poderá combinar a peça posteriormente, analise os prós e contras de adquirí-la.

Com estas dicas em mente, que venham as estampas!

Boas compras!

Um beijo da antepenúltima das moicanas.